terça-feira, 14 de agosto de 2018

SEMINÁRIO ITINERANTE DE SERVIÇO SOCIAL - Capitalismo, proteção social e feminismo





SEMINÁRIO ITINERANTE DE SERVIÇO SOCIAL - Capitalismo, proteção social e feminismo: desafios para o serviço social.


23/03 - quinta-feira

10h30 às 12h: Serviço social, políticas sociais e o debate da instrumentalidade no capitalismo contemporâneo, com a Professora Doutora Yolanda Guerra;

14h30 às 16h: Proteção social e o avanço do neoconservadorismo no Brasil, com a Professora Doutora Camila Potyara Pereira;

16h30 às 18h: Feminismo e desafios para renovação profissional, com a Professora Doutora Mirla Cisne.


Local: Sala Modular
4ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura
Centro de Convenções Ulysses Guimarães


EVENTO GRATUITO E COM CERTIFICADO

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Concurso Público - FCRIA - MACAPÁ/AP


Está aberto edital de Concurso Público para contratação de novos profissionais de níveis Médio e Superior para atuarem na Fundação da Criança e do Adolescente (FCRIA). Este certame tem prazo de validade de um ano.
Aos interessados as inscrições serão realizadas entre as 10h do dia 13 de agosto de 2018 até às 14h do dia 14 de setembro de 2018 (horário oficial de Brasília – DF).
As 64 vagas imediatas disponíveis são para os cargos de Educador Social – Nível Médio (10); Monitor Socioeducativo (40) e Educador Social – Nível Superior nas especialidades de Arte Educador (5), Pedagogo (4) e Psicólogo (5).
Há também 140 oportunidades de cadastro reserva e chances exclusivas para pessoas com deficiência. Vale ressaltar que os profissionais selecionados devem receber remunerações iniciais nos valores de R$ 2.856,04 ou R$ 4.080,15.
No que diz respeito à qualificação dos participantes, serão aplicadas as etapas de Prova Objetiva e Prova Discursiva – Redação, que estão previstas para serem realizadas no dia 25 de novembro de 2018, no município de Macapá – AP.
Além disso, haverá Teste de Aptidão Física, Exame Documental, Exame Médico, Avaliação Psicológica e também Curso de Capacitação, de acordo com o edital completo disponível para a consulta de informações no site, na íntegra.

IV Congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior – CIM - Prorrogação de submissões de trabalhos até 26/08/18.



Prorrogação de submissões de trabalhos até 26 de agosto de 2018. 

"IV Congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior – CIM – 2018/2019 

Ensino-aprendizagem em tempos digitais é o tema desta quarta edição no período 2018-2019, que visa debater as implicações e efeitos das tecnologias digitais nos processos de ensino-aprendizagem na educação superior. “Tempos digitais” remete-nos ao imperativo da digitalização (convergência digital e tecnológica, computação móvel e inteligência artificial) nas dimensões culturais, educacionais, sociais e econômicas. Tais tecnologias alteram e ao mesmo tempo são alteradas pelas relações humanas, modo de produção e maneiras de pensar e agir. Incidem fortemente nos processos educacionais, especialmente no que se refere às formas de ensinar e aprender. Diante desse contexto, o IV CIM tem como objetivo abrir espaços de reflexões, diálogos e produções acerca dos processos de ensino-aprendizagem, nas diferentes áreas do conhecimento. 

Eixos temáticos: 1.  Avaliação da aprendizagem 2. Estratégias de permanência no ensino superior e flexibilidade curricular 3. Recursos Educacionais e laboratórios de ensino 4. Metodologias de ensino-aprendizagem 5. Protagonismo estudantil 6. Tecnologias digitais de informação e comunicação 7. Articulação ensino-pesquisa-extensão 8. Educação inclusiva 9. Perspectivas complementares 10. Portfólio"

sábado, 11 de agosto de 2018

Estudantes, Professores e a Comunidade Protestam em Frente à Eseffego na Vila Nova

Olá pessoal,

Nosso blog também tem compromisso com a verdade dos fatos. 

Sobre o caso "Eseffego se muda para o Centro de Excelência", termos lido que a reitoria disse que a Eseffego não iria acabar e alguns dias depois,  se anuncia que a Eseffego passará a ser chamar Faculdade do Esporte, com o perdão da palavra: é muita canalhice da universidade. E mais, é tratar-nos a todos (sociedade) como bobos e ignorantes. 

A arbitrariedade e o autoritarismo não tem fim na gestão daquele espaço. Não é apenas boatos de que funcionários não podem se relacionar com quem discorda da mudança. E nem é apenas boatos de que funcionários sentem-se ameaçados de demissão a qualquer momento porque seus passos são sistematicamente vigiados. Sem falar na dispensa a qualquer momento já que o projeto de mudança para aquele lugar não vai caber tanta gente mesmo para trabalhar.

Ontem (10.08.2018) por volta das 17:00, estiveram presentes aproximadamente entre 50 e 80 pessoas (nem todos permaneceram o tempo todo por isso, a quantidade teve variações para quem observou a reunião das pessoas em momentos diferentes), cuja finalidade era protestar contra a decisão do governo de Goiás, da Reitoria da UEG e da Direção da Eseffego, de realizar uma ação que contrariou os interesses dos verdadeiros interessados: a sociedade. 

Estavam presentes, alunos e professores da Eseffego, ex-alunos e ex-professores da Eseffego, diversas alunas da UNATI (Universidade Aberta à Terceira Idade), simpatizantes da causa e transeuntes que paravam para conversar e tomar conhecimento do que se tratava aquele punhado de pessoas em frente à Eseffego na Vila Nova. E uma equipe de reportagem do Jornal O Popular. Só não estavam presentes os protagonistas da desordem institucional: os gestores e o governo.



Entendemos que os professores, alunos, comunidade que mora nas redondezas da Eseffego, na Vila Nova e bairros adjacentes, deveriam ter sido ouvidos sobre esse projeto de mudança. Tudo parece ter sido feito a toque de caixa. 

Aliás, essa expressão 'CAIXA' está em suspenso na compreensão de muitas pessoas. O questionamento é: Qual é a verdadeira finalidade dessa mudança da Eseffego? Teria algum vínculo com a mercadorização de áreas públicas para empresários do ramo de hipermercados e shoppings? 


Será que há semelhança com a destinação da antiga CPP (Centro de Prisão Provisória) área que virou hipermercado Assaí? Ou a área na Av. Independência que virou hipermercado Walmart? 


Será que a Eseffego virará um hipermercado Leonardo? Ou vai virar um grande empreendimento do ramo de shoppings?
O Ministério Público do Estado de Goiás, não vai se pronunciar sobre esse caso? Ah, vale lembrar que o MP-GO, só funciona se você denunciar.



Soubemos que uma emissora realizou uma matéria que está mais para propaganda, na medida em que o gestor não permitiu que ninguém (que se coloca contrário) se aproximasse do repórter durante a gravação. Conto a história mas não digo que era da Record TV Goiânia. A história da imprensa é interessante. Temos recebido o apoio para nos ouvir e nos ajudar a contar a versão não oficial dos fatos. 




Assim, eu destaco positivamente, a imparcialidade do Jornal O Popular e Jornal Daqui nesses episódios, permitindo que a sociedade goiana, goianiense, brasileira e no mundo (na medida que as notícias circulam pelas mídias digitais/sem fronteiras) e tenham acesso à outras versões, principalmente, à VERSÃO que, caso não haja reversão dessa mudança da Eseffego para o Centro de Excelência, centenas de pessoas (homens, mulheres, crianças, idosos) perderão, isso mesmo, PERDERÃO seu espaço de convivência e prática de atividades físicas, esportivas e culturais, além da sociabilidades que estão envolvidas em tais práticas.

O Caixão é uma metáfora à morte e à inexistência de políticas educacionais e sociais de inclusão, mas também é um aviso: haverá resistência, haverá luta e a história não será apagada simplesmente como querem e fazem os gestores da unidade e da universidade.

(Um dos momentos em que uma transeunte dialoga com uma professora para compreender o que se passa naquele momento)

Esperamos que dias melhores avizinhem-se do presente e nos colocamos a disposição para auxiliar na divulgação dos fatos, das verdades e dos interesses da classe trabalhadora, a única que de fato produz, mas não usufrui totalmente de produção pelo seu trabalho.

Estamos aqui no www.blogdosergiomoura.com

Mas você pode nos encontrar também...


INSTAGRAM - @blogdosergiomoura

terça-feira, 7 de agosto de 2018

A transferência da Eseffego para o Centro de Excelência do Esporte: uma dupla perda

Olá Pessoal,

Àqueles que tem nos seguido ou aos visitantes que avulsamente nos presenteiam com o seu click, hoje trazemos em primeira mão uma reflexão produzida por um coletivo acerca das implicações, das contradições e das consequências deste ato de transferência da Eseffego para o Centro de Excelência. Acompanhe os detalhes dessa reflexão no texto que ora reproduzimos na íntegra. Ao final, fazemos uma sugestão à comunidade Eseffeguiana e à comunidade-população que vive aos arredores da Eseffego no Setor Vila Nova.

----------------------------------------------------------------------




A TRANSFERÊNCIA DA ESEFFEGO PARA O CENTRO DE EXCELÊNCIA DO ESPORTE: UMA DUPLA PERDA

A Eseffego (Escola Superior de Educação Física e Fisioterapia de Goiás) é uma instituição que, ao longo de 60 anos de história, vem cumprindo uma função social extremamente importante para todo o estado de Goiás. É a primeira escola de formação de professores de educação física e de fisioterapeutas de Goiás e do Centro-Oeste. Além do atendimento direto à comunidade goianiense, a instituição ocupa lugar estratégico no desenvolvimento político-econômico e social do estado, produzindo conhecimentos e desenvolvendo inúmeros projetos de extensão. Sendo assim, a Eseffego não pode sucumbir diante de políticas autoritárias, antidemocráticas e higienistas.
Isso espanta a comunidade acadêmica e a sociedade goianiense e goiana, que atualmente utilizam os serviços prestados pela Eseffego, por conta do contínuo processo de modernização conservadora, marca do “desenvolvimento” em Goiás e princípio que atualmente orienta a gestão da Universidade Estadual de Goiás e a Direção da Eseffego. Além de cercear o debate coletivo sobre o processo de mudança para o Centro de Excelência, essa ação ainda indica que a memória da Eseffego será simplesmente ignorada nesse movimento.  
A implantação de políticas autoritárias do atual governo, a qual se rende a reitoria da UEG e a direção da Eseffego/UEG, exclui a maioria dos segmentos dessa comunidade acadêmica, buscando integrar-se ao processo de modernização posta pelo formato do gerenciamento. Com isso, a prática se vale do que a gestão entende como útil, a utilidade se sobrepõe, por exemplo, ao processo histórico e à materialidade que compõe a memória de um povo. O respeito à memória da educação do corpo no estado de Goiás pode ser compreendido, valorizado e preservado através do acervo material que está presente na sede da Eseffego. Esse acervo, composto por fotografias, documentos, apostilas, projetos curriculares, diários e registros docentes, livros, mobiliários diversos (troféus, materiais esportivos, obras de arte), é fundamental para a preservação da memória da Educação Física e da Fisioterapia no estado de Goiás, que, ao longo desse tempo, também contribuiu para a formação de professores e fisioterapeutas no cenário nacional. Esse acervo se constitui como patrimônio cultural da sociedade goiana, brasileira e, portanto, da humanidade.
A lógica da sociedade baseada na gestão constrói um poder gerencialista, que utiliza de meios para as empresas privadas se organizarem nos espaços públicos. Compactuada com uma cultura do alto desempenho e de competição generalizada, aumenta a pressão entre os trabalhadores.
No âmbito da materialidade do trabalho dos professores e dos técnico-administrativos ocorre uma elevação da exploração daqueles/as que permanecem, intensificando o processo de precarização do trabalho administrativo e docente, tão importantes para a nossa unidade acadêmica e para o funcionamento da universidade. Esse processo de intensificação do trabalho docente e administrativo expressa o nível de alienação que contribui para o esfacelamento dos movimentos coletivos e da consciência política da comunidade acadêmica. Com isso, a capacidade de reverter as mudanças ficam comprometidas em virtude das pressões autoritárias e antidemocráticas que cerceiam o pensamento crítico e a autonomia universitária.
Os espaços físicos da Eseffego necessitam de uma reforma. E isso é consenso, pois não precisa ser arquiteto ou engenheiro para identificar vários problemas na estrutura do prédio.
Mesmo com a estrutura física precarizada por um conjunto de políticas públicas estaduais que, historicamente, negligenciou a educação, o esporte e o lazer, a Eseffego não pode ser simplesmente abandonada como o que se projeta até o momento no processo de mudança. Até porque, simplesmente ignorar a Eseffego como está sendo feito, é no mínimo um ato de total descaso com o bem público.   
Há cerca de três anos, conforme dados do próprio Governo do Estado, foram investidos quase R$ 800 mil reais nas reformas do Ginásio 2 e na quadra de tênis, ambos os espaços utilizados constantemente pela comunidade acadêmica e pelos moradores que frequentam os espaços da Eseffego. O acesso ao público já foi barrado e o corpo docente foi notificado que não poderá utilizá-lo em qualquer atividade acadêmica.   
Outro exemplo claro da falta de zelo com o patrimônio é a Clínica Escola. Uma estrutura de dois andares, cara e bem instalada, está sendo tratada com o mesmo descaso. Não há justificativa para deixar em desuso uma instalação tão importante para a comunidade goianiense, que é atendida diariamente por uma série de profissionais formados e em formação. Tudo isso sem contar que a instituição possui uma pista de atletismo, quadras e ginásios.
O Centro de Excelência do Esporte levou décadas para que suas paredes fossem erguidas, que, dado como concluído, trouxe na esteira dois problemas. O primeiro se dá porque não há estrutura para o seu funcionamento; o segundo se materializa pelo fato de que o Ginásio Rio Vermelho e o Parque Aquático do Estádio Olímpico, que fazem parte desta infraestrutura, estão sem condições de uso.  
Ora, como o curso de Educação Física funcionará em um espaço que não foi construído para este fim? Coloca-se o laboratório de anatomia no banheiro; todas as coordenações (Educação Física bacharelado, Educação Física licenciatura, Fisioterapia, Pedagógica, de Pesquisa, de Extensão, de Pós-Graduação, de Estágio) em um mesmo espaço e tendo dois servidores para atender a todas elas; a sala de dança vai para o local de aquecimento dos jogadores no dia de jogos; mas não teremos uma quadra oficial, pois o Ginásio Rio Vermelho espera os recursos; não teremos atividades aquáticas no Centro de Excelência porque a piscina aguarda pelos mesmos recursos e não teremos pista de atletismo para as aulas desta disciplina em dias de jogos no Estádio Olímpico. Desse modo, o atendimento das necessidades pedagógicas dos docentes e discentes e a adequação dos espaços físicos - a insuficiência de espaços para todas as atividades acadêmicas de quatro cursos - ficam extremamente comprometidos, inviabilizando o ensino, a pesquisa e a extensão.
Não perdem apenas os cursos de Educação Física e Fisioterapia, perde o Centro de Excelência, porque não haverá mais espaço para ele. O Gestor do Centro de Excelência tem sala para trabalhar? O que este gestor vai gerir? Parece-nos que a Universidade do Esporte vai substituir o projeto do Centro de Excelência. Quem conhece o projeto Universidade do Esporte, onde, quando e com quem este projeto foi discutido?
Anos atrás, as atividades do Centro Olímpico cessaram para a construção do atual Centro de Excelência, interrompendo-se a oferta de várias práticas corporais para pessoas de todas as idades. Na época, a Eseffego também se configurava como local de promoção de esporte e lazer da cidade de Goiânia, assim como as Praças de Esporte do Setor Pedro Ludovico e do Setor dos Funcionários, sustentando aquilo que o atual governo há muitos anos estabelece como política de esporte.
Não diferente, o Centro de Excelência, construído com apoio de recurso federal para ser um espaço de desenvolvimento do esporte, com laboratórios, espaços de treinamento, alojamentos etc está às avessas. Espaços de laboratórios substituídos por salas administrativas da Eseffego, alojamentos por salas de aula, banheiros por laboratórios de anatomia (uma vergonha) e outras bizarrices que virão a público com o início das aulas dos cursos de Educação Física e Fisioterapia.
       Quem ganha com essa mudança? A população ou um governo que acredita que fazer política é discursar o improvável? Existe a falta de diálogo da gestão governamental com a sociedade goiana e com as comunidades que ocupam atualmente a Eseffego e o Centro Olímpico Pedro Ludovico.
Quem perde neste contexto? Certamente, o Esporte, a Comunidade Goiana e a Formação de profissionais nos campos da Educação Física e Fisioterapia.
E por quê? Porque há uma clara redução da concepção de formação em Educação Física e Fisioterapia pela racionalidade do esporte de rendimento, materializada numa Faculdade do Esporte. Não só isso, a substituição do projeto de Centro de Excelência pelo projeto de Faculdade do Esporte prejudica também o esporte de rendimento.
Que perdas teremos mais?


COLETIVO EM DEFESA DA ESEFFEGO/UEG E CENTRO DE EXCELÊNCIA


----------------------------------------------------------------------

À COMUNIDADE ESEFFEGUIANA E À COMUNIDADE-POPULAÇÃO DE MORADORES AOS ARREDORES E ADJACÊNCIAS DA ESEFFEGO NO SETOR VILA NOVA:

Em tempo, nosso Blog indica que se o leitor se sentir indignado e quiser se manifestar ou fazer algum protesto à direção da Unidade Acadêmica Eseffego Goiânia, pode enviar um email para: dir.goiania@ueg.br
\
Ou para a reitoria da Universidade Estadual de Goiás (UEG), ou pelo "Fale com o Reitor" ou enviando email aos cuidados do Reitor chefia.gabinete@ueg.br

USE #SALVEAESEFFEGOUEGGOIANIA
#SALVEAESEFFEGO

O Imbróglio da ESEFFEGO/UEG em Goiânia

Para quem não leu, reproduzo aqui a matéria no jornal O Popular veiculada hoje 07/08/18.

A Universidade tenta rebater dizendo que a Eseffego não será fechada. A quem eles querem enganar? Transferida da Vila Nova para um "centro de excelência" que não comporta a Eseffego, seus alunos, seus projetos e sua história, a área da Vila Nova em pouco tempo ficará abandonada, e de duas, uma:

- ou se tornará refúgio de delinquentes, traficantes de droga ou moradores de rua;

- ou será totalmente demolida para a construção de algum grande empreendimento, privado obviamente.

- OU será que temos conta de campanha para pagar?

Façam suas apostas: ou nos mobilizamos e revertemos essa desproporcional, desajustada e desastrosa ação do governo do Estado de Goiás e a reitoria da UEG, ou não teremos memória da história da Educação Física no Estado de Goiás. Devem estar se contorcendo no túmulo o sr. Mauro Borges e amigos que idealizaram e construíram as praças de esportes em Goiânia, especialmente, a Praça de Esportes da Vila Nova, hoje a ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E FISIOTERAPIA DO ESTADO DE GOIÁS (ESEFFEGO).

--------------------------------------------------------------------------





















Universidade Estadual de Goiás nega abandono de prédio

Instituição educacional informou que a Escola Superior de Educação Física e Fisioterapia (Eseffego) não será fechada, mas transferida para uma área
A Universidade Estadual de Goiás (UEG) informou que a Escola Superior de Educação Física e Fisioterapia (Eseffego) não será fechada, mas transferida para uma área onde terá mais estrutura de funcionamento. A UEG informou por nota que o Centro de Excelência do Esporte possui quatro salas a mais que o antigo prédio da Eseffego, totalizando 16, e que o início do semestre letivo em 8 de agosto não prejudica o Calendário Acadêmico.
A UEG também informou que a Secretaria Acadêmica do Câmpus, bem como todo o arquivo permanente do local, serão transferidos até o fim desta semana, assim como diversos troféus e objetos que formam a memória dos 56 anos de atividades da Eseffego.
A UEG reforçou que técnicos virão de São Paulo para desmontarem e montarem os equipamentos de dois laboratórios que ainda não foram transferidos. Com relação ao antigo prédio da Eseffego, afirma que estão sendo realizados estudos e discussões a respeito da destinação do imóvel. Também “rechaça acusações e reitera que a nomeação do diretor para o Câmpus ocorreu dentro da legalidade”.
Desocupação até sexta-feira 
Em junho, quando a Universidade do Esporte foi lançada, o professor e coordenador do Programa de Alto Rendimento da instituição, Thiago Vilela, disse ao POPULAR que a transferência seria realizada de forma gradativa para que alguns espaços recebessem adequações. “Nós fomos informados na quinta-feira da semana passada de que até sexta-feira desta semana (10) vamos ter de desocupar antiga sede. E só será levado para o Centro de Excelência o que for útil”, comentou um professor. Para trás, segundo ele, está ficando toda a história da Eseffego, traduzida em documentos e equipamentos que um dia serviram a escola.
“Estamos preocupados com o futuro da atual sede da Eseffego na Vila Nova. Nós, professores, fomos pressionados a agilizar a transferência”, reforça outro docente. Conforme o professor, estão ficando no prédio livros, documentos históricos e até mesmo um conjunto de atletismo que faz parte de um projeto de extensão em parceria com a Seduce que custou R$ 5 mil. “Também um painel do artista plástico Luiz Olinto está ficando para trás”. Os professores lamentam o tratamento dispensado à memória da Eseffego, a primeira escola superior de Educação Física da região Centro-Oeste.
Abaixo-assinado contra a transferência
“O histórico da Eseffego é de abandono, de descaso, de muitas promessas. A escola sempre ficou aguardando as reformas estruturais com um pires na mão. Só recentemente reconstruíram o ginásio, mas apenas isso. Ela é considerada uma unidade problema da UEG por ter uma atividade político-acadêmica ativa”, afirma o ex-professor da instituição Sérgio Moura, hoje docente da Universidade Federal de Goiás (UFG). Em seu perfil no Facebook, Sérgio fez dura manifestação contra a transferência.
“O Governo do Estado de Goiás primeiro abandonou, depois sucateou, desqualificou e precarizou e agora despeja a faculdade de Educação Física mais antiga e a primeira do Estado de Goiás para ser engolida pela Universidade do Esporte”. Inconformado com a decisão, o professor abriu um abaixo-assinado para estancar a decisão da UEG. Sérgio Moura considera o projeto “equivocado, intransigente e antidemocrático”. 
O professor ressalta que, mais do que uma escola de formação de educadores físicos e de fisioterapeutas, a Eseffego é uma praça de esportes. “A população da Vila Nova e bairros adjacentes usam a área de forma contínua para praticar esportes, como a pista de atletismo. Sem contar os projetos de extensão que são oferecidos pela escola que cumpre um papel sociocultural.”
(Malu Longo – O Popular – 07/08/2018)

       --------------------------------------------------------------------------




ASSINE VOCÊ TAMBÉM O ABAIXO ASSINADO CLICANDO AQUI

Concurso Público - UFMS 41 vagas para docentes




A Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, publicou o Edital de n° 67 , onde torna público o processo seletivo para professor do magistério superior.
São 41 vagas para diversas áreas do conhecimento que atuarão nos seguintes municípios: Aquidauana, Campo Grande, Chapadão do Sul, Corumbá, Naviraí, Paranaíba e Três Lagoas.
As inscrições poderão ser feitas a partir de 20 de agosto até 20 de setembro de 2018, exclusivamente pela internet, no site. E o prazo para solicitação de isenção da taxa é 30 de agosto.
As vagas são para professor auxiliar, com dedicação de 20 horas semanais, ou professor adjunto, com dedicação exclusiva. 
"O concurso será composto por provas escrita, didática e de títulos. A previsão para a prova escrita, que será realizada em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, é nove de novembro. As demais etapas serão realizadas conforme o andamento dos trabalhos para cada vaga, com divulgação de datas e horários fixados em cada sala de provas.
Aos candidatos negros serão reservados 20% do total das vagas oferecidas e às pessoas com deficiência 5% do total das vagas oferecidas, independente da área ou lotação. Os candidatos negros serão convocados para o procedimento de heteroidentificação.
O candidato que necessitar de condição especial para a realização das provas poderá solicitar atendimento diferenciado, que consistirá em fiscal ledor, fiscal transcritor, intérprete de Libras, acesso e mesa para cadeirante, tempo adicional para a realização da prova e espaço para amamentação."

Mais informações e inscrição ACESSE O EDITAL AQUI

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Manifestação do CBCE contra os cortes na CAPES

A imagem pode conter: texto



O Colégio Brasileiro de Ciências da Esporte (CBCE), entidade científica que representa pesquisadores da área de conhecimento Educação Física/Ciências do Esporte, vem a público manifestar seu mais profundo pesar e seu protesto veemente em razão dos cortes orçamentários anunciados pelo governo federal e denunciados pelo Conselho Superior da CAPES para o financiamento da produção científica, da tecnologia e da inovação. Fato que ao mesmo tempo conspira contra o êxito da Pós-Graduação estrito senso, para a qual esses recursos são estruturantes e indispensáveis, principalmente no que se refere ao incremento de projetos e grupos de pesquisa, como também bolsas nesse âmbito de formação. Nesse sentido, nossa manifestação alinha-se as manifestações produzidas pela ANPED (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação), da ASCAPES (Associação dos Servidores da CAPES) e outras entidades científicas.


Acreditamos que só através da organização e de ações coletivas concretas de resistência que pesquisadores, sociedades científicas e instituições públicas e privadas são capazes de reverter a entrega da pesquisa, da tecnologia, da inovação, da educação pública e da saúde nas mãos dos interesses pouco claros de mercado e garantir a vigilância efetiva do Estado em seu desenvolvimento econômico, social e político.

domingo, 5 de agosto de 2018

Campanha de Ajuda ao PROJETO CARMINA CIGNUS DANCE

Olá pessoal,

Essa postagem é para você:

- que pode fazer uma doação e declarar no imposto de renda para receber em forma de restituição;
- que é um profissional liberal;
- que é um empresário pessoa física;
- que tem amigos profissionais liberais; (repasse para eles)
- que tem amigos empresários pessoa física; (repasse para eles)

E PARA VOCÊ QUE entende a necessidade de apoiar projetos dessa natureza, que tem como finalidade ampliar a experiência de centenas de pessoas no acesso aos bens da cultura corporal.

Todas as informações estão no flyer. Mas se tiver alguma dúvida ligue/whatsapp para a Profa. Doutoranda Michelle Ferreira de Oliveira (62) 98113-2749 para esclarecer suas dúvidas.

Vamos ajudar esse grupo que é sediado na Eseffego/UEG em Goiânia e mostrar que esse pessoal é do barulho.




sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Curso de Especialização em Treinamento de Força - FEFD/UFG



CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO DE FORÇA




Inscrições: até 30 de agosto de 2018.
Prova de seleção: 01 de setembro de 2018
Início do curso: 14 de setembro de 2018.
Coordenador: Prof. Dr. Carlos Alexandre Vieira

Aulas a cada dois finais de semana – sextas (18-22h e sábados (8h-18h).

Corpo docente formado por professores altamente qualificados (16 doutores e 2 mestres). Entre os docentes externos do curso destacam-se os professores:

Amilton Vieira (FEF/UnB);
Carlos Vieira (FEFD/UFG);
Claudio Lira (FEFD/UFG);
Eduardo Cadore (FEF/UFRG);
Fabrício Del Vecchio (FEF/UFPEL);
Fernanda Nora (FEFD/UFG);
Gustavo Pimentel (FANUT/UFG);
Gustavo Conti (FEFD/UFG);
Juliana Carneiro (FEFD/UFG);
João Batista (IFSM);
Maria Sebastiana (FEFD/UFG);
Mário Hebling (FEFD/UFG);
Martim Bottaro (FEF/UnB);
Paulo Gentil (FEFD/UFG);
Rodrigo Celes (FEF/UnB);
Saulo Soares (FEF/UnB);
Tadeu J. Ribeiro Baptista (FEFD/UFG);
Wanderson Nogueira (Personal Trainner).


Todos módulos do curso são direcionados ao Treinamento de Força! Entre outros destacam-se:

·         Adaptações Cardiovasculares e Neuro-Musculares induzidas pelo Treinamento de Força
·         Bioquímica, Nutrição e Treinamento de Força
·         Biomecânica aplicado ao Treinamento de Força
·         Bases Científicas do Treinamento de Força
  • Treinamento de Força aplicado a populações especiais (obesidade, câncer, diabetes, doenças cardiovasculares e idosos);
  • Treinamento de força: corpo, saúde e estética
  • Tendências atuais relacionadas ao treinamento, desempenho e saúde.
  • Gestão aplicada ao treinamento personalizado

ESEFFEGO/UEG em Goiânia - o Ocaso depois do Abandono - ABAIXO ASSINADO





Ocaso - o aparente declínio de um astro no horizonte, do lado oeste; pôr, poente.

OCASO DA ESEFFEGO UEG GOIÂNIA.

Essa é a história do descaso, do neoliberalismo à goiana, do golpe eleitoral interno, da ausência de valor histórico... É a história do desmonte que perdurou pelas décadas em que marconi perillo governou o estado.




E agora, presenciamos o OCASO eseffeguiano ao sabor da aparente última página de sua história no setor Vila Nova. Em nome de um acordo "científico", mas mais político do que científico, onde a Universidade do Esporte vai fagocitar a nossa ESEFFEGO.



E a área da Vila Nova deverá ser "entregue" ao setor privado. Uma instituição de ensino superior histórica, reconhecida pela sociedade, mas ignorada pelo governo do estado de Goiás.
Recursos que provavelmente serão injetados na campanha eleitoral do ex-vice, atual governador e de seu sucessor ao senado. É muita calhordice!!!!!



Na "nova casa" a já, quase extinta ESEFFEGO UEG GOIÂNIA já começa o mês de agosto com um apagão elétrico porque o Governo Estadual não pagou a conta de luz.

Haverá alguma forma ou esperança de reversão desse cenário?



E tem uma observação importantíssima: na ESEFFEGO nesse processo de destruição existe em rico acervo documental que remonta aos anos 1960 e o registro da EDUCAÇÃO DO CORPO EM GOIÁS, QUE SE NÃO HOUVER UMA DOAÇÃO DESSE ACERVO, tudo poderá virar cinza uma grande fogueira.




COMPARTILHE... DIVULGUE... ESPALHE ISSO ☝

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

PPGE/FE/UFG - Processo Seletivo para Alunos Especiais Sem Vínculo



Já está disponível para download, o formulário de inscrição para o PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS ESPECIAIS SEM VÍNCULO, através do EDITAL 007/2018 - Seleção de alunos especais sem vínculo. As inscrições no processo seletivo para alunos especiais sem vínculo, acontecerá excepcionalmente no dia 16 de agosto de 2018, no período das 9h às 12h e das 14h às 18h, na sala 251. (segundo pavimento do prédio da Faculdade de Educação da UFG).

Observamos que a relação das disciplinas que serão ofertadas para esse processo e o respectivo número de vagas para alunos especiais serão divulgados no dia 15 de agosto, a partir das 18h, na página do programa


INÍCIO DAS AULAS: 20 de agosto de 2018