quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Cultura e conhecimento em Goiânia


Com apoio cultural da UFG, o Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON) realiza, no segundo semestre de 2012, a primeira edição do Café de Ideias, evento que busca trazer palestras sobre temas diversos da contemporaneidade. A entrada é gratuita, e as conferências ocorrem sempre às 19h30, no CCON.
A edição de 2013 já conta com nomes como Nelson Mota, Marilena Chauí, Contardo Calligaris, Arnaldo Jabor, Flávio Gikovate, Maria Rita Kehl, João Pedro Stédile e Wladimir Safatle.
Confira a programação do primeiro Café de Ideias:

12.09 (quarta-feira) - Renato Janine – prof. filosofia USP

 – Conferência: Vida Contemporânea: o meu mundo caiu”
Resumo: Para muitos, devido as recentes crises mundiais, o mundo caiu. Foram-se empregos, dinheiro, sonhos de prosperidade. Quais as consequências psicológicas das crises generalizadas? Como reagir a elas, como rever os sonhos e projetos? Há muita discussão sobre saídas práticas da crise econômica mundial, mas sua dimensão pessoal, seu alcance humano: como ficam?
27.09 – (quinta-feira) José Miguel Wisnik – músico, poeta e prof. literatura da USP.
– Conferência: “Eu que aprenda a levitar, poesias e canções”
Resumo: As perdas e as separações são compreendidas pelo ponto de vista da arte. A arte e a poesia podem ser instrumentos para lidarmos com os nossos lutos. Como usar a leveza da arte para atravessar os trechos pesados da vida?

10.10 – (quarta-feira) José Arthur Giannotti – filósofo e prof. filosofia da USP

-  Conferência:  Política e responsabilidade: as zonas cinzentas
 Resumo: Pode haver toda uma estruturação das ações políticas que não leve em consideração certos limites postos pelo metabolismo que o homem mantém com a natureza? Isto por certo limita a autonomia do político, mas evita que ele seja compreendido exclusivamente por meio de processos decisórios. O governo da coisa pública requer a produção dessa coisa. Em contrapartida, a ação política certas vezes  visa  tal  reestruturação das estruturas sócias e políticas que ela quebra comportamentos ritualizados. A política implica uma aposta na renovação de seus próprios procedimentos que nem sempre podem ser julgados pela ética pública corrente. Napoleão dizia, na política a gente se engaja e depois vai ver o que dá. Nessas condições inovadoras a ação política está envolta numa zona cinzenta que escapa da bipolaridade dos juízos morais constituídos.

09.11 - Eliane Brum (sexta-feira) – escritora e jornalista da revista Época

Conferência: Histórias para transformar e transtornar”
Resumo:  Cinco histórias para mostrar como toda vida só existe como narrativa.  Deste modo, uma vida só se humaniza ao ser contada– e “escutada”. Uma vida só se realiza como vida ao se encontrar no olhar do outro – e continuar a ser escrita neste reconhecimento. Quando esse encontro não acontece, é a vida que se aniquila. Para isso, Eliane, conhecida como a “repórter dos desacontecimentos”, faz uma viagem amarrando os fios de sua vida de contadora de histórias com a história de sua própria vida. Para isso, conta cinco histórias – uma autobiográfica, três da vida real e uma de ficção. Através delas, mostra como ficção e realidade se entrelaçam para fazer de uma vida – uma vida humana.

23.11 – (sexta-feira) Luiz Felipe Pondé – filósofo e articulista da Folha de São Paulo
Conferência: “O sexo e o amor em tempos pós-modernos"
Resumo:  O homem contemporâneo é narcisista, frágil, egocêntrico, precário afetivamente, ambivalente. O amor e o sexo têm a mesma consistência de hábitos alimentares redentores e práticas espirituais ao consumidor: todos têm a função de servir a um "eu" maníaco pela felicidade e com dificuldade de estabelecimento de vínculos. Desmancham-se no ar como poeira. A tentativa de enfrentamento da ambivalência do mundo via a privatização dessa ambivalência: "meu amor e meu sexo me salvam".


06.12 – (quinta-feira) Christian Dunker – psicanalista e professor de Psicologia da USP
Conferência: Cinema e psicanálise: narrativas do sofrimento”.
Resumo: As relações entre sofrimento, mal-estar e sintoma no cinema brasileiro recente, envolvendo percepção da violência, discriminação, corrupção de valores e indeterminação do desejo, em filmes como Tropa de Elite 1 e 2, Cidade de Deus e À Deriva.

2 comentários:

sandramags disse...

Sergio,estou para me mudar para Goiania,sem conhecer nada daí...fale um pouco do que acontece por aí culturalmente ,please!

Sergio de Almeida Moura disse...

Olá Sandra,
Goiânia é uma das cidades mais movimentadas do Centro Oeste e do cerrado. Goiânia é famosa pela vida noturna (muitos bares, casas noturnas), pela diversidade de seus parques;
O teatro vem se tornando algo mais movimentado, mas ainda precisa avançar bastante;
Temos muitas cidades no interior do Estado e não muito distantes da capital que são palco de diversos festivais de musica, gastronomia, teatro (Caldas Novas, Pirenópolis, Cidade de Goiás, Nova Veneza, Porangatu...)
Há uma força musical do sertanejo, mas aqui o Rock também é algo representativo, assim como a MPB e a musica regional.
Bem, de forma bem sintética te apresento Goiânia e arredores do ponto de vista da cultura.
De onde você está vindo?
Um abraço