terça-feira, 12 de maio de 2020

Carta de Demissão de João Batista Freire

Olá pessoal

Aos poucos vamos retornando e ao retornar temos muito o que contar. Contaremos novidades nem tão novas, novidades em construção e dentro de tudo isso, alguns episódios que, a nosso e exclusivo nosso olhar, se tornarão novos divisores de águas. E a decisão do Professor de Educação Física,  João Batista Freire da Silva é sim um divisor, do qual doravante queremos saber quem mais se posicionará frente à vilania que permeia o Brasil entre todos aqueles que apoiam por decisão ou omissão o comportamento genocida do governo do Brasil. 
-------------------------


Foto: extraída da postagem blogdojuca.uol.com


Florianópolis, 12 de maio de 2020
Ilmo. Sr.
Presidente do Conselho Regional de Educação Física CREF3/SC.

Sou filiado ao CREF há muitos anos. O número de meu registro é 2992. Pouco atuei porque, como professor de diversas instituições, nunca dependi da regulamentação do CONFEF. No entanto, mantive-me filiado ao CREF por ter a esperança de que, com o tempo, os Conselhos se tornassem menos corporativos e mais preocupados com a formação e qualificação dos professores. Acalentei também a esperança de que essas novas gerações compreendessem, finalmente, o significado de um curso de bacharelado. Fui ingênuo, nada disso aconteceu. Parece-me, inclusive, que não existiram novas gerações. 

Ontem, dia 11 de maio de 2020, fui surpreendido com a notícia de que o presidente da república, Sr. Jair Bolsonaro, considerou as academias de atividade física serviços essenciais e, em plena pandemia, liberou o trabalho nesses espaços. Acompanho há meses a pressão exercida pelos empresários de academias sobre o governo para que seja liberado seu funcionamento, sei que um dos maiores apoiadores do presidente é um dos grandes empresários do setor. E não vi qualquer posicionamento do CONFEF ou CREFs em favor do isolamento horizontal, única medida cientificamente eficaz para conter o avanço da pandemia e evitar o colapso do sistema de saúde.

Acumulei conhecimentos suficientes nos últimos 49 anos (tempo em que atuo na Educação Física) para poder afirmar que conheço poucos ambientes potencialmente mais disseminadores do Covid 19 que as academias. Por mais que jurem medidas de proteção, pessoas terão que tirar as máscaras para respirar quando estiverem exaustas, pessoas suarão e espalharão gotas de suor por todo o ambiente, o ar exalado por pessoas ofegantes chegará mais distante que em outros ambientes, o contato direto entre as pessoas será inevitável em alguns momentos, pessoas deixarão suas marcas e seus possíveis vírus impressos nos aparelhos de metal e plástico, e assim por diante. Se há um espaço onde as pessoas não poderiam estar durante a pandemia, é o espaço das academias.

Sou democrata, servi meu país colocando minha força de trabalho a favor dos direitos humanos, das liberdades individuais e coletivas e do regime democrático. Ao mesmo tempo, coloco minhas forças, meu desempenho profissional e individual, além de meu conhecimento, contra os autoritarismos de qualquer ordem. No momento nossa democracia está em risco como nunca esteve desde o fim da ditadura que torturou o país de 1964 a 1985. Não posso estar ao lado de quem, de alguma forma, alia-se ao avanço das forças autoritárias, representadas, como nunca, pelo atual governo.

Portanto, senhores, peço-lhes que providenciem meu desligamento desse Conselho. O momento é de definições quanto ao lado que servimos. Sirvo, mais que ao trabalho, à vida. Sirvo, mais que aos interesses dos empresários de academias, à vida. Sirvo, mais que aos Conselhos Regional e Nacional de Educação Física, à vida. Estamos, pois, em lados opostos, e torna-se incompatível eu ser registrado a um Conselho que sempre pouco me representou e agora representa o que menos acredito, e, julgo, alinha-se às forças autoritárias do país.

Ao alinharem-se às teses genocidas de nosso presidente da república, os Conselhos Regionais e o Conselho Nacional de Educação Física devem entender que deixam muito claro que, liberando o trabalho nas academias, contribuem para a disseminação do vírus, ao custo de milhares de vidas que poderiam ser poupadas caso recomendassem o isolamento horizontal.
Trata-se de escolher entre a vida e o vírus, e não entre o mercado e o vírus.

João Batista Freire da Silva
Professor de Educação Física

Fonte: https://blogdojuca.uol.com.br/2020/05/carta-de-demissao/

sábado, 18 de abril de 2020

Tonucci - educador italiano fala sobre a educação escolar na pandemia

Em entrevista ao site ELPAIS, o educador Francesco Tonucci fala sobre a relação crianças, escolas e seus pais. Leia essa reflexão e veja se podemos tirar lições para as nossas histórias pessoais e quem sabe institucionais.

---------------

PANDEMIA DE CORONAVÍRUS
Francesco Tonucci: “Não percamos esse tempo precioso com lição de casa”
Psicopedagogo italiano afirma que esse confinamento demonstra “ainda mais” que a escola não funciona.


Francesco Tonucci (Fano, 1940) é um especialista em crianças. De sua casa em Roma, onde está confinado há cinco semanas, o psicopedagogo italiano responde por videoconferência algumas das perguntas que mais afetam as crianças durante esse período de quarentena para combater o coronavírus. Tonucci reconhece que são muitos os pais que pedem conselhos. Propõe ideias como que tenham seu próprio diário secreto de confinamento e um lugar, por menor que seja, para se esconder dentro de casa. O psicopedagogo critica a escola e a maneira como ela enfrenta o confinamento.


Pergunta. O que é o pior do confinamento às crianças?

Resposta. Deveria ser não poder sair, mas é mentira porque infelizmente também não saíam antes. As crianças desejam sair e só podem fazê-lo com um adulto. De modo que é importante que as crianças voltem a sair, dentro e fora do coronavírus. Ficar em casa é uma condição nova, não ser autônomo não é. Espero que as crianças possam nos mostrar com a força desse confinamento como precisam de mais autonomia e liberdade. É muito interessante como elas estão reagindo. Durante os primeiros dias de confinamento, enviei um vídeo às nossas cidades da rede internacional da cidade das crianças encorajando a convocar os conselhos para pedir sua opinião e dar conselhos aos prefeitos; achava um pouco paradoxal que todo mundo pedisse aos psicólogos conselhos aos pais e aos pedagogos aos professores e ninguém pensasse nelas. As crianças sentem muito a falta da escola, ou seja, não dos professores e das carteiras e sim a falta dos colegas. A escola era o local em que as crianças podiam se encontrar com outras crianças. Outra experiência em que pude comprovar que a escola era muito desejada pelas crianças é quando estão no hospital.

P. Considera, então, que os políticos não levam em consideração os mais jovens para tomar suas decisões.

R. Como sempre. As crianças praticamente não existem, não aparecem em suas preocupações. A única preocupação tem sido que a escola possa continuar virtualmente. Na Itália, por exemplo, a grande preocupação é demonstrar que podem continuar da mesma maneira que antes apesar das novas condições, ou seja, fazer quase sem que eles percebam, sentados como estavam na escola, diante de uma lousa tendo aulas e com lições de casa. Muitos não se deram conta de que a escola não funcionava antes e nessa situação se percebe como funcionava pouco. As crianças estão cansadas das lições e para as famílias é uma ajuda porque é o que as deixa ocupadas. As lições de casa são sempre demais, não tanto pela quantidade e sim pela qualidade. São inúteis para os objetivos que os docentes imaginam.

P. Se tudo está tão ruim, o que propõe?

R. Fiz um pequeno vídeo dando conselhos de senso comum. Temos uma oportunidade. As crianças se aborrecem na escola e é difícil que aprendam dessa forma. Além disso, existe um conflito entre escola e família. É um conflito moderno, a família está sempre pronta para denunciar o colégio. Agora a situação é nova: a escola é feita em família, em casa. Proponho que a casa seja considerada como um laboratório para se descobrir coisas e os pais sejam colaboradores dos professores. Por exemplo, como uma máquina de lavar funciona, estender a roupa, passar, aprender a costurar...

P. Mas nesse laboratório, os pais também estão trabalhando?

R. Peço coisas que também devem ser feitas em casa. A cozinha, por exemplo, é um laboratório de ciência. As crianças devem aprender a cozinhar. O professor pode propor que os alunos façam um prato e escrever a receita. Dessa forma estamos fazendo física, química, literatura e é possível montar um livro virtual de receitas. Outra experiência que me parece importante é que as crianças façam vídeos de sua experiência em casa. A outra experiência, evidentemente, é a leitura. A escola não conseguir com que as crianças amem a leitura é um grande peso. A escola deveria se preocupar mais, dar aos seus alunos o gosto de ler.

P. Isso significa lutar contra as telas, os videogames.

R. Estamos pensando em uma escola que deve fazer propostas às crianças trancadas em casa. Propor às crianças que leiam um livro deve ser um presente, não uma obrigação. Há outra maneira que é a leitura coletiva, de família. Criar um teatro que tem seu horário e seu lugar na casa, e um membro da família lê um livro como se fosse uma novela. Meia hora todos os dias. São propostas que parecem pouco escolares, mas todas têm a ver com as disciplinas escolares. Estudando as plantas das casas pode-se fazer uma experiência de geometria. Digo tudo isso para que se entenda que é possível aproveitar a riqueza que temos agora, a casa e a disponibilidade dos pais. Você diz que os pais não têm tempo: não é verdade. Apesar do todo o tempo em que estão ocupados, não sabem o que fazer no tempo livre. Normalmente o tempo que passam com elas é para acompanhá-las em atividades e não para viver com elas. Outra proposta é que brinquem, isso é o mais importante. Que inventem brincadeiras. Ligar aos avós para que aconselhem brincadeiras, eles foram crianças quando era preciso inventá-las.

P. Nunca passaremos tanto tempo com elas como agora.

R. Por isso mesmo. Não percamos esse tempo precioso dando deveres. Aproveitemos para pensar se outra escola é possível.

P. O que uma criança deve fazer no primeiro dia em que sair desse confinamento?

R. Gritar, jogar pedras, correr, e abraçar alguém; ainda que esse último seja mais complicado.

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Educação Pensada por Freitas 2020

Olá pessoal,

Estou voltando!!! A força do Corona Vírus nos trazendo de volta ao ONLINE

Muitas coisas aconteceram desde que finalizei meu trabalho de doutorado (Out.2018). A métrica das postagens falam por si. Muitas reflexões, muitas decisões e muitas novas aberturas de diálogo com outras construções, outros conhecimentos. Aos poucos, espero trazer para cá.

Mas, nesse retorno, primeiro de 2020, não teria como ser diferente. Influenciados pelo contexto da Pandemia do Corona Vírus, trago uma reflexão de Luiz Carlos de Freitas na íntegra para que pensemos a escola, os educadores, os gestores, os estudantes, as famílias, os processos educativos, as aprendizagens, a legislação, o mercado, em conjunto se possível.

Acho que veremos novos encaminhamentos e novos direcionamentos no Blog do Sérgio Moura, mas a caminhada vai dizer do caminho.

Abraços
-----------------------------------------


Suspender as avaliações e unir os anos 20 e 21

A necessidade de fechar escolas para aumentar o distanciamento social e com isso diminuir a transmissão do coronavírus está impactando todo o sistema educativo e também as famílias. A questão não é apenas operacional ou de aprendizagem. Há um lado afetivo e emocional que atinge a todos, inclusive as crianças.
É uma situação inusitada que tem que ser tomada pela sua gravidade, a qual ainda vai aumentar. Nem sabemos, ainda, onde tudo isso vai parar e os “abutres” empresariais de sempre já estão a postos com suas soluções mágicas.
Nada contra introduzir formas de contato com os estudantes neste momento. Mas há uma ilusão em alguns setores gerenciais de que se possa – como quem muda um interruptor – transferir para o interior das famílias a continuidade da educação dos filhos que estava em curso nas escolas, bastando para isso tecnologia.
Os impactos da pandemia serão intensos na formação de nossos estudantes e o melhor a fazer é reconhecer esta realidade e começar a lidar com ela, ao invés de criar uma maquiagem via “ensino através de práticas não presenciais”. Nossas crianças estão – entre outros problemas – sendo impactadas em muitos casos pela perda de entes queridos, desestruturação econômica da família – quando há -, perda de emprego dos pais.
Querer que em meio a tudo isso a aprendizagem das crianças siga seu curso normal via práticas à distância é no mínimo uma grande ilusão, sem falar da insensibilidade. Teremos que tratar destes impactos com nossos estudantes e criar formas de que processem esta realidade, sem o que a aprendizagem estará comprometida para os mais atingidos
É claro que a família pode fazer algo nesta direção, mas não com a expectativa de que isso possa substituir a atuação do magistério nas salas de aulas das escolas do pais. Muito pelo contrário: os pais estão demonstrando ter consciência dos problemas para cumprir com estas expectativas – o que, ademais, é absolutamente normal que seja assim.
Andre M. Perry do Metropolitan Policy Program escreve para o Brookings Institution sobre o impacto da pandemia no reconhecimento da importância do magistério:
“Se você não valorizava a experiência, o trabalho e a dedicação que os professores colocam pacientemente em nossos filhos na maioria dos dias da semana, provavelmente o faz agora.
Para ajudar a reduzir a disseminação do coronavírus, os distritos de todo o país fecharam escolas, muitas pelo resto do ano acadêmico. Os pais foram chamados a desempenhar o papel de professora, diretora e merendeira de uma só vez. Estamos tentando descobrir planos de aula, plataformas de ensino à distância e tarefas. E nossos filhos estão nos tratando como professores substitutos de emergência que somos.
O valor dos professores não é comprado e vendido em Wall Street, mas finalmente está sendo reconhecido por aqueles que são forçados a assumir seu papel.”
Leia aqui.
Alguns gestores estão num mundo que não existe mais, achando que depois da pandemia tudo volta a ter continuidade – como dantes. Outros acham que, mesmo durante a pandemia, basta transferir o ensino para a modalidade não presencial.
Não, o mundo parou e quando voltar a rodar, no tocante às pessoas, será diferente e isso inclui os pais, professores, diretores e estudantes.
As soluções propostas, usadas com a intenção de substituição do trabalho do professor durante o fechamento das escolas de educação básica, estão fadadas ao fracasso e a acelerar a desigualdade educacional. Isso não significa que não faremos nada durante o fechamento das escolas. O magistério está se desdobrando tentando dar cobertura aos estudantes, mas isso implica em uma intensificação do trabalho em um momento em que ele igualmente também é atingido pela pandemia.
Além disso, a transferência do ensino para o ambiente familiar traz o problema do “limite de tempo de tela”: as crianças não podem ficar períodos inteiros em frente a telas de dispositivos estudando sem que isso lhes acarrete graves problemas físicos e psicológicos. A questão não é simplesmente ter uma plataforma de ensino virtual e colocar à disposição da criança.
As dificuldades deste caminho estão ficado mais claras para os país. E eles poderão ser um importante aliado para deter as falsas soluções que gestores ingênuos ou muitas vezes a serviço de interesses econômicos possam querer impor.
Melhor faremos se reconhecermos a real gravidade da situação e os impactos na formação e delegarmos para as redes de ensino a criação e gradação das soluções, seja durante ou após a pandemia, para que sejam formuladas de acordo com a intensidade dos problemas locais nos municípios e estados, removendo os obstáculos administrativos para tal. Soluções padronizadas não darão conta do momento.
Contrariando as terceirizadas que operam na venda de avaliação para municípios e estados, este processo exigirá, é claro, que se suspendam todas as avaliações censitárias de larga escala, sejam municipais, estaduais ou federais (SAEB), permitindo que cada localidade trace um plano de recuperação para suas escolas, levando em conta os danos emocionais que a magnitude da pandemia está causando em professores, diretores, funcionários e estudantes, para restabelecer a normalidade das escolas durante os anos de 2020/2021.
Estes dois anos deveriam constituir um ciclo único, apenas com avaliações de diagnóstico conduzidas pelos professores, dando tempo às redes para atuar na recuperação dos desempenhos segundo suas realidades específicas. Não é hora de meritocracia e performatividade. É  hora de solidariedade e acolhimento.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Seleção de Mestrado em Educação Física UFG - Turma 2020.1


Logo ProgramaLOGO FEFD_NOVA_13.09.17
A Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Educação Física – nível Mestrado Acadêmico – da Universidade Federal de Goiás (CPG-PPGEF), da Faculdade de Educação Física e Dança (FEFD), torna públicas as normas do Processo Seletivo 001/2020  para preenchimento de vagas para o primeiro semestre de 2020, nível Mestrado Acadêmico, em conformidade com as exigências da Resolução CEPEC N°. 1619, da Resolução CONSUNI 29/2018.
O Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF) possui uma área de concentração denominada Educação Física, esporte e saúde e, tem por objetivo capacitar e formar, em nível de mestrado acadêmico, profissionais para atuarem na docência do ensino superior, na pesquisa científica e na produção de novos conhecimentos em Educação Física, esporte e saúde.

ACESSE O EDITAL CLICANDO AQUI
ACESSO PARA INSCRIÇÃO CLIQUE AQUI


terça-feira, 1 de outubro de 2019

XXIV Simpósio de Estudos e Pesquisas da Faculdade de Educação UFG


Realização das Inscrições:
26/08/2019 a 03/11/2019
Envio de trabalho:
26/08/2019 a 07/10/2019


Acesse o site do evento clique AQUI
Inscreva-se e participe!

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

quarta-feira, 31 de julho de 2019

LabTIME/UFG - Formação digital gratuita com 10 mil vagas




LabTIME/UFG abriu inscrições para um curso sobre Tecnologia da Informação e Mídias Educacionais.

O curso de formação é totalmente online e gratuito. A oferta de vagas é surpreendente, pois serão 10 mil vagas.

E todos os que concluirem e cumprirem os requisitos estabelecidos receberão uma declaração de conclusão.

O curso tem como ambiente a plataforma AVAMEC, desenvolvida pelo próprio laboratório.

O programa completo possui 50 horas de atividades e é composto de cinco unidades (com as respectivas cargas horárias):

- O estudante de Educação a Distância (10h);
- Sociedade em Rede (10h);
- Educação a Distância (10h);
- Mídias na Educação (12h);
- Evolução Tecnológica: computadores e dispositivos móveis (8h).

TICS - Tecnologia da Informação e Mídias Educacionais
Responsável: LabTIME/UFG
Inscrições gratuitas e limitadas às 10 mil vagas oferecidas


FONTE: LabTIME/UFG

quarta-feira, 19 de junho de 2019

MBA UFSCar – Especialização em Educação e Tecnologias

Educação e Tecnologias

Especialização em
Educação e Tecnologias
(UFSCar – Turma 2019)

Estão abertas as inscrições para o curso de 
Especialização em Educação e Tecnologias da
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Conheça uma proposta de formação aberta e flexível, em que
 você pode configurar o curso do seu jeito. Participe!

São cinco (5) opções de curso ou habilitação:

Gestão da Educação a Distância
Produção e Uso de Tecnologias para Educação
Design Instrucional (Projeto e Desenho Pedagógico)
Docência na Educação a Distância
Recursos de Mídias para Educação

Inscrições até 17/07/2019

Visite o site e confira mais detalhes:

Fonte: ufscar.br














sexta-feira, 7 de junho de 2019

16º Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais - Out/19 em Brasília/DF

Olá pessoal,

Hoje vamos dar uma palhinha para os colegas do Serviço Social. O CBAS é o maior evento do Serviço Social brasileiro e terá como tema: 40 anos da "Virada" do Serviço Social.

Para os Assistentes Sociais que nos acompanham vamos fazer esse lembrete do congresso de sua área. E lembrando que o prazo de envio de trabalhos para 16º CBAS foi prorrogado para 23/06/19.

ACESSE O SITE DO EVENTO CLICANDO AQUI

Mas se você conhecer um Assistente Social, ajude-nos a fazê-lo tomar conhecimento dessa postagem.

Imagem mostra ilustração de mulher segurando um texto impresso com a informação de que o prazo para envio de trabalhos para o CBAS vai até 23 de junho. Embaixo tem uma ilustração do Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, local que será realizado o evento. Há várias pessoas caminhando em direção ao ginásio e de dentro dele sai um ramo que ilustra também o Código de Ética

ACESSE O SITE DO EVENTO CLICANDO AQUI

Seleção de Mestrado e Doutorado em Educação FE/UFG 2019

Olá pessoal,

Vamos lá???

As oportunidades não param de aparecer e nosso blog tem o compromisso de levar a público todas as informações das oportunidades de formação, capacitação e estudos que nos chegarem ao conhecimento.

Topo do site

Hoje divulgamos o processo seletivo destinado à matrícula dos aprovados para a 33ª Turma de Mestrado e 18ª Turma de Doutorado. Isso mesmo. O colegiado do PPGE decidiu unificar o ingresso de mestrandos e doutorandos! 


Acesso ao Edital Nº 04/2019 onde você tem acesso a todas as informações sobre a inscrição, a seleção e a matrícula da 33ª Turma de Mestrado e 18ª Turma de Doutorado.


UMA INFORMAÇÃO IMPORTANTE:


O PPGE/FE/UFG não realizará prova de suficiência em língua estrangeira no processo seletivo de Mestrado e Doutorado em Educação 2019. 

Clique aqui e veja as orientações para a comprovação de suficiência em língua estrangeira.


Verifique também no site do Centro de Avaliação de Suficiência em Língua Estrangeira www.casle.letras.ufg.br o edital com as datas de inscrição e realização das provas de língua estrangeira.

Topo do site

XVI Seminário do PPGE da Faculdade de Educação/UFG

Olá pessoal,

As oportunidades estão pipocando para todos os lados e em diversas frentes. Hoje vamos divulgar duas grandes OPORTUNIDADES que encontramos a partir do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás, ou como costumeiramente chamamos do PPGE da FE/UFG.

Ambas as oportunidades é para você que AINDA não ingressou no mestrado ou no doutorado e tem planejado ou tentando criar coragem. Seus dias de procrastinação precisam acabar. Entenda as nossas postagens como uma inspiração e uma mola propulsora para seguir adiante em seus projetos de formação acadêmica.
Vamos lá!

A primeira oportunidade acontece no período, de 25 a 28 de Junho de 2019, acontece na Faculdade de Educação da UFG, no mini-auditório, a apresentação de trabalhos da 16ª Turma de Doutorado e 31ª Turma de Mestrado.
Essa é uma oportunidade para você conhecer o quê tem estudo e pesquisado os alunos do programa no mestrado e doutorado. Não somente o que têm estudado e pesquisado, mas também conhecer uma análise avaliativa sobre seus temas, as metodologias de pesquisa e algumas outras informações próprias do processo de elaboração das dissertações e teses.

A segunda oportunidade você confere na próxima postagem checa lá!!

Sinta-se convidado e participe!!!!





sexta-feira, 17 de maio de 2019

Curta o Campus - UFG Praça Universitária - 18/05


Ciclo de Estudos e Reflexões - Saberes Pedagógicos Docentes Ensino Superior

Olá pessoal! 

Anunciamos a realização da palestra da Professora Selma Garrido.

Data: 31/05/2019

Horário: 08:30

Local: Teatro da EMAC (Escola de Música e Artes Cênicas da UFG), Campus Samambaia (Goiânia).

Participação e entrada franca, mas é preciso INSCREVER-SE AQUI



Fonte: https://www.ufg.br/n/116516-inscreva-se-no-ciclo-de-palestras-para-o-desenvolvimento-do-ensino-criativo-colaborativo-e-inovador

XIII Seminário Pensar a Educação - UFMG 23/05


Ciclo de Palestras - Formação de Profissionais da Educação em Brasília/DF


quinta-feira, 16 de maio de 2019

VIII Congresso GPT e GYMBRASIL - Novembro/19 - Caldas Novas



                  ENTRE E INSCREVA-SE




               ENTRE E INSCREVA-SE





IV Seminário Criança e Natureza - Junho/19 Rio de Janeiro

Olá pessoal,

Submergimos para trazer informações no campo da formação profissional, acadêmica, política, cultural, pessoal, enfim, para a formação humana. Atentem sempre aos prazos de inscrição e datas para aquisição de passagens aéreas ou terrestres. 

Bom evento pra quem for!!!



                 10 e 11 de junho, das 9h às 17h
Teatro Sesc Senac | Avenida Ayrton Senna, 5555
Gardênia Azul | Rio de Janeiro




Já estão abertas as inscrições para o IV Seminário Criança e Natureza

Promover diálogos sobre a qualidade da interação da criança com o ambiente natural, tanto em convívio quanto em brincadeiras é o objetivo do “Seminário Infâncias e Naturezas, um olhar para a diversidade social e ambiental”, que acontece nos dias 10 e 11 de junho, no Departamento Nacional do Sesc, no Rio de Janeiro.

O encontro, realizado pelo programa Criança e Natureza, do Instituto Alana, em parceria com o Sesc Nacional, reunirá especialistas de diferentes partes do Brasil para instigar diálogos sobre a relação entre criança e meio ambiente e das múltiplas formas como essa relação acontece.

Confira a programação completa e faça sua inscriçãoO evento é gratuito e as vagas são limitadas.






segunda-feira, 8 de abril de 2019

Concurso Público - Instituto Federal do Tocantins 2019


Olá pessoal,

As vagas de concurso tenderão a reduzir nos próximos anos. Portanto, para você que pretende ingressar na carreira do Magistério da Educação Básica Técnica e Tecnológica, fique atento aos informes dos IF's pelo Brasil afora. 

Hoje estamos ajudando a divulgar o Editgal do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins em seu concurso IFTO 2019, com a publicação do edital nº 16/2019.

São vagas em cargos Técnicos-Administrativos em educação e para Professores da carreira do magistério do ensino básico, técnico e tecnológico.


Quais são as vagas?

  • Professor: Biologia, Educação Física, Geografia, Geomática, História, Letras com ênfase em Português e Inglês e Letras com ênfase em Português e Libras;
  • Técnico Administrativo - nível médio: Assistente em Administração e Técnico em Enfermagem;
  • Técnico Administrativo - nível superior: Administrador, Engenheiro Civil e Psicólogo.

E sobre os vencimentos?

O vencimento para técnico-administrativo é de R$ 2.446,96 para os cargos de nível médio e de R$ 4.180,66 para os cargos de nível superior. Para Professor, o vencimento total varia de R$ 4.455,22 a R$ 9.600,92, de acordo com a titulação do profissional.
Além do vencimento, os profissionais contratados poderão ter direito aos seguintes benefícios: auxílio alimentação, auxílio transporte, auxílio pré-escolar, saúde suplementar, incentivo à qualificação, além de outros previstos na legislação.
A jornada de trabalho para todos os cargos é de 40 horas semanais, sendo que para Professor é exigida dedicação exclusiva.

Como posso me inscrever?

Entre os dias 05 de abril e 02 de maio de 2019, apenas via internet.
Para se Inscrever CLIQUE AQUI
Validade
O concurso IFTO terá validade de um ano, a contar da data de publicação da homologação do resultado final no DOU, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período.

Edital

Para outras informações sobre o concurso IFTO como quadro de vagas, cronograma de todas as etapas e conteúdo programático das provas, consulte o edital e seus anexos, além de taxas de inscrição, isenção de taxa, sobre as provas e data provável do concurso CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS SOBRE O CONCURSO.
Fonte: IFTO

sábado, 6 de abril de 2019

XXI Conbrace - Prorrogação de Prazos

Olá pessoal...

Um aviso aos Associad@s do CBCE!!


A organização do XXI CONBRACE E VIII CONICE avisa que o prazo para a submissão de trabalhos para o XXI Congresso Brasileiro de ciências do Esporte e o VIII Congresso Internacional de Ciências do Esporte foi prorrogado para o dia 16 de abril. As inscrições com preço diferenciado também poderão ser feitas até esta data.

O Congresso será realizado em Natal-RN de 16 a 20 de setembro, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Os trabalhos deverão ser submetidos na forma de Resumo expandido, Resumo Simples, envio de Fotografias e Vídeos que serão exibidos na Sala de Imagens – SALA SIM.

Ingerência na História do Brasil

NOTA PÚBLICA

As associações científicas abaixo assinadas registram sua indignação com as manifestações de integrantes do poder público federal quanto à história do Brasil e do mundo contemporâneo, eivadas de negacionismo e revisionismo infundados e desprovidos de qualquer base investigativa. 

A titularidade do poder político não reveste seus detentores de infalibilidade e tampouco lhes confere mandato para - mediante opiniões superficiais e sem pertinência à realidade brasileira amplamente pesquisada com elevado grau de acuidade científica - impor suas visões particulares, manipular os instrumentos educacionais do Estado ou deturpar suas finalidades de entidade impessoal, laica e inclusiva.

Em particular, no caso do titular do Ministério da Educação, constatam as Associações Científicas, observa-se um descaso com a responsabilidade pública do cargo e um amadorismo incompatível com a missão de supervisionar os processos educacionais do país em ambiente de pluralidade, democracia e liberdade. Isso é o que está prescrito nos arts. 5º, 205 e 206 da Constituição Federal, e o art. 3º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9393/96), dentre tantos outros dispositivos do ordenamento jurídico do nosso estado democrático de direito, consoantes com nossa cultura social e política plural. Assim esperamos dos governantes que se comportem com responsabilidade pública e com moralidade pessoal, algo que um país como o Brasil tem o direito de exigir.

ANPUH - Associação Nacional de História.
SBEnQ - Sociedade Brasileira de Ensino de Química.
Movimento Nacional em Defesa do Ensino Médio.
SBHE - Sociedade Brasileira de História da Educação.
FCHSSALA - Fórum de Ciências Humanas, Sociais, Sociais Aplicadas, Letras e Artes.
SBTHH - Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia.
ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da educação.
FORPARFOR - RP - Fórum de Coordenadores Institucionais do PARFOR. - Forum dos Coordenadores Institucionais do PIBID e Residência Pedagógica.
SBEnBio - Associação Brasileira de Ensino de Biologia.
ABRAPEC - Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 
ABdC - Associação Brasileira de Currículo.
ANPEd - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.
AGB – Associação dos Geógrafos Brasileiros.
CEDES - Centro de Estudos Educação e Sociedade.
FORUMDIR - Fórum Nacional de Diretores de Faculdades, Centro de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras.
ANPOCS - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais.

As infâncias e as bolas de sabão

Foto: By Sérgio Moura



A INFÂNCIA E A BOLA DE SABÃO. 

Há muito tempo a infância deixou de ser apenas um registro de imagens de adultos em miniatura. Por isso, posso seguramente criar aproximações entre a infância e uma bola de sabão.

As semelhanças são muitas principalmente, na plasticidade da forma, dos movimentos, na direção, das cores, dos sentidos, das interpretações e por aí vai. 

É certo que não existe uma infância, mas infâncias que são demarcadas: pelo lugar social, familiar, cultural, pelo tipo de influência das mídias, pelo contato com as gerações anteriores, pela estrutura de valores ensinados, pelo patamar de humanidade que os assiste e os educa... entre outras características, há muitas infâncias.

Não falo de uma infância atribuida como futuro da sociedade, mas de infâncias que são do presente porque ensinam enquanto aprendem e se formam  enquanto são educados.

Falo de infâncias que são no presente o brilho da luz de um mundo que precisamos construir para eles enquanto usufruem e crescem neste corrompido pelo desejo de poder e do acúmulo de bens e dinheiro.

Falo de infâncias que são nossos porta-vozes para uma travessia ao avesso, para um retornar a um mundo mais inocente e mais puro, ainda que ilusório. 

Minha dor é sentir a decadência humana no abandono, no abuso, no destrato, na violência e no óbito pela fome.

Minha esperança é ver que uma criança ainda se emociona e brinca de fazer bolas de sabão e extrai dessa atividade prazer, alegria e, de tudo isso, ainda é capaz de sonhar.

#blogdosergiomoura #blogger 
#educação #educacao #formação #formaçãohumana #infâncias #crianças #boladesabao #sonhar #viver