sexta-feira, 19 de novembro de 2010

... história, cultura e homens ...

“Quando os missionários deram machados de aço aos nativos australianos, sua cultura – baseada no machado de pedra – entrou em colapso. O machado não apenas era raro como sempre fora um símbolo de classe (status), de importância viril. Os missionários providenciaram uma grande quantidade de afiados machados de aço e os entregaram às mulheres e às crianças. Os homens tinham mesmo de pedi-los emprestados às mulheres, o que causou a ruína da dignidade dos machos. Uma hierarquia feudal e tribal de tipo tradicional entra rapidamente em decadência quando se defronta com qualquer meio quente do tipo mecânico, uniforme e repetitivo. Enquanto meios, o dinheiro, a roda, a escrita ou qualquer outra forma especializada de aceleração, de intercâmbio e de informações, operam no sentido da fragmentação da estrutura tribal. Igualmente, uma aceleração extremamente acentuada, com ao que ocorre com a eletricidade, contribui para restaurar os padrões tribais de envolvimento intenso, tal como a que ocorreu com a introdução do rádio na Europa, e como tende a acontecer na América, como resultado da televisão. As tecnologias especializadas destribalizam. A tecnologia elétrica não especializada retribaliza. O processo de perturbação resultante de uma nova distribuição de habilidades vem acompanhado de muita defasagem cultural : as pessoas se sentem compelidas a encara as novas situações como se fosse velhas (....) “
 
Marshal McLuhan, lembrando história contada por Robert Theobald em The Rich and The poor (OS Ricos e os PobreS)
“Os meios de comunicação como extensão do homem”, pg 40
Editora Cultrix
1974
Postar um comentário